Abrir popup
Poesias, Varginha-Terra do ET, BRICS, Dicas, Frases e Reflexões...

sábado, 9 de agosto de 2014

Uma Ilha Perdida

Estou aqui, ditando lentamente essas frases,
espero que quem as escreva saiba decifrar:
já não sei de crases, nem de entrementes,
nada sei de entretantos, já não sei mais nada...

Nada a declarar! - poderia dizer simplesmente.
Mas, finalmente me sinto  frágil e dependente,
neste instante me recolho à insignificância.
Jogo, então, a toalha antes que desistam de mim.

Sim, só quem entende a doença pode testemunhar.
Aqui nesta cadeira, tanto faz que tenha rodas,
Não vou a lugar nenhum, a praia ficou distante.
recebo achincalhes por não ter mais paciência.

O telefone não toca, todos se foram de repente.
A viagem que faço é desde a minha infância,
na memória já cansada, sem tantos detalhes.
Eis que estanco o pranto, pois sou do tempo antigo...

Homem é foda, homem não chora, que asneira!
Mas a cada amanhecer me sinto mais destoado.
Sempre fui solitário, uma ilha, era o que eu era,
no meio do nada com tudo para compreender...

Passavam as estações, as horas e eu, no entanto,
não sentia o atestado do tempo em mim acontecer.
Um dia, porém, tudo mudou e assim tão imediato:
Se o destino existe ele deu as caras de repente!

Eu já não sentia mais um lado do meu corpo,
a cada ato eu me via mais tolo e impotente,
o andar torto e descabido já me denunciava.
Eu não sei como tudo começou, só aquele final.

Era de grande escala o ataque à minha pessoa,
De onde vinha a bala, se não ouvi o estampido?
Mas ressoa no ouvido uma a fala: viu só, eu avisei!
Estou assim como um vagão meio fora do trilho.

Não sei a quem apelar, nem bem sei como agir,
a língua não tem freio e machuco as pessoas,
sei que não tenho cara de muitos amores, enfim!
Repito: sinto-me uma ilha, cercada de dores...

Se tenho filhos eles se foram, fugiram de mim.
O trem tá feio, por todos os lados a vida se esvai.
Estes evitam me olhar, os outros foram embora.
A hora da partilha chegou e o que vou oferecer?

Um número especial de mágica como surpresa,
um coração combalido e vazio prestes a parar;
um dia por terminar e a incerteza de uma aurora...
ou a tristeza por descobrir que nunca fui um Pai?!!

Autor: Expedito Gonçalves Dias (Profex)
Escrito Em 09/08/2014-Varginha-MG, Às 20:39h
Volte Sempre!
Ilustração: Google Images
(Respeite Os Direitos Autorais)

Curta o blog também no Facebook: https://www.facebook.com/ExpeditoProfex


Formulário de Contato - Expresse sua opinião. Retornarei!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Veja as Postagens Populares do blog

Aguardo você por lá!...

Informação Importante

Este blog - O Blog de Poesias do Profex - anexa ou linka textos da internet preocupando-se em dar o devido crédito a eles e sua origem. As imagens, na sua maioria são do banco de dados do Google, conforme indico junto às postagens. Quem se sentir lesado por uma exibição indevida, por favor entre em contato para que eu possa atribuir os respectivos créditos; ou ainda, se for o caso, retirar das páginas a postagem ou imagem em questão.

Espero portanto que se um leitor tiver a pretensão de usar uma matéria (ou parte dela), um poema (ou um excerto dele), faça da mesma forma, dando o devido crédito junto à elas, sob pena de se fazer valer a Lei de Direitos Autorais.


E-mail: professorexpedito.radialista@hotmail.com
Some images used on the BLOG DO PROFEX are taken from the web via Google Images, if by chance you find any here who is registered and of his own, let me know that I will be happy to credit! Thank you!

.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...